top of page
  • Foto do escritorRenato Araújo

E-commerce e o setor de Turismo: tendências para 2024

sistema para agência de viagens

Os números divulgados no início de 2024 no estudo Perfil do E-Commerce Brasileiro, levantamento feito anualmente pela BigDataCorp, mostra um crescimento expressivo do comércio online brasileiro. Por exemplo, houve o crescimento de 17% do número de lojas virtuais no Brasil.


A pesquisa foi realizada em 2024, com uma enorme base de mais de 20 milhões de sites brasileiros. Essa pesquisa da BIgDataCorp, que mapeia as tendências do e-commerce no Brasil, chega à sua 10º edição e alguns de seus dados trazem reflexões muito importantes para o mercado do turismo no Brasil.


Atualmente, existe uma loja virtual para cada 100 brasileiros, e o relatório da BigDataCorp e há uma tendência de crescimento do setor bastante sólida, mesmo depois da retomada do comércio em lojas físicas depois da vacinação — cresceu 16,5% em 2022 e 17,1% em 2023.


Essa mudança na dinâmica do comércio impacta todos os setores da economia. E com o setor do turismo não é diferente. E há uma série de motivos que explicam a relação cada vez mais íntima entre turismo e e-commerce, com lojas virtuais se tornando item obrigatório em qualquer sistema para agência de turismo do mercado.


Recuperação do turismo e e-commerce no Brasil

Em 2020, a pandemia de covid-19 obrigou as autoridades públicas a criarem medidas de isolamento social, visando mitigar o avanço da doença. Como todos os setores da economia, o turismo foi duramente impactado naquele contexto. 


Uma pesquisa da Decode mostrou queda de 57% no volume de voos domésticos e internacionais em 2020, e segundo pesquisa da Conversion, 62% da população sequer fez uma viagem durante o período pandêmico.


E menos viagens impactam toda a cadeia econômica do setor do turismo, como as agências de viagens, rede hoteleira, empresas de transporte aéreo e rodoviário, entre muitas outras. Dados da Confederação Brasileira do Comércio de Bens, Serviços e Turismo mostram que somente em 2020 os prejuízos no setor chegaram a R$395 bilhões. 


Mas o setor se recuperou rapidamente após a vacinação e essa retomada ocorreu de forma simultânea com o crescimento do e-commerce no Brasil. O Ministério do Turismo, em junho de 2021, mostrou que o comércio virtual relacionado a produtos do turismo cresceu mais de 150% em relação ao ano anterior.


E trata-se de uma recuperação bastante sólida. Em 2023, segundo o Ministério do Turismo, houve crescimento de 7,8% das atividades turísticas no Brasil, com um faturamento que superou os R$184 bilhões.


Só o mês de dezembro de 2023 representou um acréscimo de mais de R$18 bilhões nesse montante de faturamento. E são vários setores do turismo que experimentaram um substantivo crescimento em se tratando dessa recuperação do turismo em 2023.


O setor de locação de meios de transporte, como carros e vans, cresceu 18,3% em 2023. O setor de locação de alojamentos cresceu 17,4% e as companhias aéreas viram crescimento de 12,7%. O Fórum dos Operadores Hoteleiros do Brasil também trouxe boas notícias para o setor no país. Houve um aumento de 4% na procura por hospedagens em hotéis em território brasileiro comparativamente a 2022, e o aumento do valor do tíquete médio em 22% elevou também as receitas do setor.


E todo esse cenário ocorre dentro de um contexto que forte crescimento e solidez do comércio digital.


Tendências do comércio digital no turismo para os próximos anos

sistema para agência de turismo

Uma pesquisa encomendada pela plataforma de pagamentos PayPal, feita pela Mind Miners, publicada em 2018, mostrava que cerca de 92% dos viajantes pesquisavam informações sobre preços e destinos na internet antes de concretizar uma compra.


Há um impacto significativo nas compras de passagens, no que toca à expansão do e-commerce. Entre 2010 e 2020, segundo a plataforma Statista, o crescimento das vendas online de passagem cresceram mais de 56%, formando um mercado mundial de mais de US$400 bilhões. E a tendência dali em diante permaneceu em expansão.


O Estudo de Operações Hoteleiras Digitais de 2023, da consultoria H2c, mostra que o fechamento de contratos online também é uma tendência irreversível quando falamos do setor de hospedagens.


Segundo o estudo, a porcentagem de reservas diretas online no setor hoteleiro cresceu quase 50% em 2023 comparando com 2022. Atualmente, as reservas online correspondem a pouco mais de dois terços do total do mercado.


Assim, cabe aos operadores de turismo se ocuparem com essa tendência de digitalização dos setores da economia, de maneira geral, mas do turismo, em particular, de maneira a potencializar seus ganhos e oportunidades de negócios.


É fundamental, nesse sentido, se fazer a pergunta sobre o que os clientes procuram nas empresas de turismo quando as aciona via internet, buscando fechar contratos de hospedagem ou comprar pacotes em operações que prescindem das lojas físicas.


O que as pessoas procuram no comércio digital quando viajam?

Podemos dizer que a necessidade de se ter alternativas de adquirir bens e serviços em tempos de isolamento social impulsionou o crescimento do e-commerce de 2020 até hoje. Contudo, o comércio virtual tem conseguido avançar de maneira bastante robusta mesmo depois da pandemia.


Isso quer dizer que as pessoas procuram lojas virtuais, hoje, não por impossibilidade de se dirigirem até as lojas físicas, mas por considerarem haver uma série de vantagens no e-commerce. E isso tem que ser levado em consideração se tratando do turismo.


Atualmente, é comum que as pessoas planejem e encaminhem todas as resoluções de suas viagens nas plataformas digitais.


Assim, a compra das passagens, o check-in dos voos, a escolha e fechamento de contrato para hospedagem, a programação de passeios e excursões no destino, dentre outros serviços são feitos nas plataformas online. Atualmente, várias agências de turismo oferecem a clientes experiências que integram cada vez mais serviços, proporcionando comodidade e experiências exclusivas.


Tendência a integração

As empresas de turismo, cada vez mais, utilizam modelos integrados de vendas nos seus serviços. Dito de outro modo, as empresas oferecem serviços e produtos que podem ser comprados em suas lojas físicas também em plataformas virtuais, dando alternativas aos clientes.


Mas a integração vai muito além disso. As grandes empresas do mercado de turismo têm cada vez mais integrando seus ecossistemas de sites e plataformas digitais, possibilitando ao cliente encontrar cada vez mais serviços no mesmo canal.


Quanto mais produtos, como viagens e hospedagens, e procedimentos, como agendamentos e pagamentos, sejam concentrados na mesma plataforma, melhor para os clientes e para as empresas.


Com isso, as empresas têm mais alternativas para fidelizar clientes e integrá-los na sua cadeia de produtos e serviços. 


Segurança de dados dos clientes

Os ambientes digitais requerem medidas de segurança. É necessário evitar, por exemplo, vazamentos de dados ou ação de golpistas, por exemplo.


Quando uma empresa utiliza um sistema para agência de turismo que inclua lojas virtuais deve adotar os melhores protocolos de segurança. Sistemas que guardam dados de clientes em nuvem, com métodos rígidos de segurança e que evitem trocas de fotos ou prints de documentos são fundamentais nesse sentido.


Na pesquisa do BigDataCorp, citada no início deste artigo, mostra que 89% das lojas virtuais em atividade no Brasil utilizam certificado SSL (Secure Sockets Layer), que é uma camada de segurança em criptografia que protege dados de clientes fornecidos durante transações online.


Trata-se de mais um importante recurso que criptografa os dados usados nas transações, dificultando a ocorrência de vazamentos.


Plataformas para todos os tamanhos de empresas

O mesmo estudo da BigDataCorp mostra que cerca de 72% das lojas virtuais no Brasil oferecem produtos de até R$100,00, ao passo que pouco mais de 68% oferecem até 10 produtos aos seus clientes.


Isso quer dizer que o setor não comporta somente grandes empresas, com ecossistemas digitais de grandes proporções ou grandes sites. Pequenas empresas também conseguem se beneficiar com o avanço do e-commerce e isso deve ser aproveitado pelas empresas de turismo.


As empresas de turismo devem criar lojas de acordo com seu público e também conforme os produtos que oferecerem, sempre tentando proporcionar uma boa experiência aos seus clientes. E isso é viável para empresas de qualquer tamanho.


Sistema para agências de viagens e o e-commerce 

Dentro de um sistema para agências de viagens, existem recursos que automatizam operações fundamentais para o seu funcionamento. Em relação ao e-commerce, esses sistemas permitem fazer vendas de passeios e excursões de maneira ágil e segura.


E isso integrado a um site responsivo e que pode ser usado de maneira fácil pelos clientes. Além disso, essas lojas podem ser organizadas de acordo com os melhores padrões do mercado, proporcionando uma ótima experiência ao cliente, tornando possível fidelizá-lo.


Um sistema para agência de viagens que faz essas funções é o da Excapy, que tem planos para todos os perfis de empresa e automatiza todas as funções administrativas, operacionais e financeiras na mesma plataforma. 


Entre suas funções estão a administração de uma loja online, fundamental para oferecer todos os produtos turísticos da empresa. Além disso, o sistema da Excapy também administra o envio de e-mails marketing, importantes mecanismos para a divulgação de produtos e prospecção de clientes.


7 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page